• darkblurbg
Incontinência Urinária x Diabetes Mellitus
Diabetes Mellitus é um dos mais importantes problemas mundiais de saúde da atualidade, acarretando um alto custo na economia mundial para o controle e tratamento de suas complicações.
 
Diabetes Mellitus (DM) é uma síndrome metabólica de etiologia múltipla, decorrente da falta e/ou incapacidade da insulina exercer adequadamente seus efeitos. Existem dois tipos principais de DM, tipo I é caracterizado por dependência de insulina e acomete principalmente crianças e jovens e a DM tipo II resulta da resistência insulínica e acometem adultos e idosos.
 
Os indivíduos diabéticos tendem a não perceber a distensão vesical com acúmulo de urina e portanto, o reflexo miccional não chega a ser desencadeado, essa condição é conhecida como bexiga neurogênica atônica, uma das principais causas de incontinência por transbordamento ou hiperfluxo em que ocorre a perda involuntária de urina quando há elevação da pressão intravesical associada à distensão da bexiga na ausência de atividade do detrusor.
 
O exame urodinâmico, permite a avaliação funcional dabexiga e do trato urinário e no diabético demonstra alterações, como o aumento da capacidade vesical, diminuição da sensibilidade ao enchimento vesical, má contratilidade, prolongamento do tempo de micção com baixos picos de fluxos e altos volumes residuais. Isso ocorre principalmente devido à redução de sensibilidade, evidenciando uma disfunção autonômica das fibras simpáticas. pode, de fato, ser outra complicação microvascular, possivelmente através de perturbações nervosas para o esfíncter uretral e bexiga.
 
Sinais e sintomas X Diabete Mellitus
 
POLIÚRIA: é o aumento de freqüência urinária diurna e noturna que pode ser causado por Diabetes Mellitus tipo I e II. Esse sintoma foi encontrado em 59% dos pacientes e alguns fatores fisiopatológicos presentes na mulher diabética, podem induzir a IU, como a menopausa que altera a inervação vesical e propicia o hiperfluxo urinário.
 
NOCTÚRIA: caracteriza-se por mais de duas micções noturnas, devido a uma baixa capacidade funcional da bexiga. É um sintoma urológico bastante freqüente que acomete aproximadamente 15% das mulheres, sua prevalência aumenta em indivíduos com idade avançada. No atual estudo todos os pacientes com perda urinária apresentaram noctúria
 
HIPERDISTENSÃO VESICAL: ocorre na Incontinência Urinária por transbordamento ou Incontinência Paradoxal que é freqüente em algumas neuropatias, principalmente a diabética, estando relacionada a um esvaziamento vesical deficiente, apresentando sintomas de sensação de esvaziamento incompleto e hesitância.
 
A Incontinência Urinária é um estado anormal em qualquer faixa etária, não depende somente da integridade do trato urinário inferior. A existência de doenças associadas, tais como a Diabetes Mellitus, está entre os fatores responsáveis pela IU sem que haja comprometimento significativo do trato urinário inferior destaca-se ainda que 90% dos casos de diabetes compreendem o tipo 2, geralmente detectado em torno de 4 a 7 anos após o seu desenvolvimento. Desse modo, torna-se compreensível a existência de maior proporção de diabéticos ao avançar da idade, assim como o desenvolvimento de complicações.